Harry potter é uma obra composta por sete livros e publicada entre os anos de 1998 e 2007 pela autora britânica J.K Rowling. A estória retrata a vida de um jovem que se tornou órfão depois de ter os pais mortos pelo bruxo das trevas mais poderoso de todos os tempos e foi criado pelos tios, “trouxas” como são chamadas as pessoas não bruxas na história. O garoto é famoso no mundo bruxo por ser a única pessoa viva a ter sobrevivido a maldição da morte lançada pelo bruxo das trevas na noite em que seus pais morreram.

Aos onze anos Harry recebe sua carta de admissão na escola de magia e bruxaria de hogwarts e consequentemente descobre o mundo mágico, Harry faz novas amizades e a história continua o seu desenrolar trazendo à tona não só a ficção e o imaginário para entreter crianças, mas criticando inúmeros pontos que por analogia podem deixar uma mensagem profunda para a sociedade atual.

Ao pegar o trem a caminho de Hogwarts, Harry conhece Rony Wesley um bruxo de sua idade que pertence a uma família de puro sangue, (linhagem formada apenas por bruxos) porém vítima de inúmeros preconceitos, principalmente pela condição econômica e social que exercem, isso fica evidente ao conhecer Draco Malfoy, filho de um bruxo influente e que se julga melhor que todas as outras pessoas, por pensar assim Malfoy acredita no ideal de sangue puro e que crianças que nascem de pais trouxas são indignas de aprender magia, esse pensamento pode facilmente ser comparado com os ideias nazistas e facistas de que existe uma raça pura e que esta é superior às demais. Para quebrar esse preconceito existe a personagem Hermione, que nasceu de pais não bruxos e mesmo assim é retratada como a bruxa mais inteligente do colégio, exercendo total domínio sobre a magia.

Ao longo da história podemos perceber no universo mágico um ordenamento jurídico complexo, que apesar de imerso em uma cultura diferente, é fácil ressaltar problemas que também acontecem com as nossas próprias entidades de justiça, a corrupção de pessoas de dentro dos órgãos que deviam garantir que os direitos e deveres da comunidades fossem cumpridos, pode ser demonstrada nas atitudes do bruxo Lucio Malfoy, que possui um grande prestígio político e administrativo dentro do ministério da magia e mesmo assim trabalha para o bruxo das trevas.

A crise política que vivemos é um ponto que também pode ser analisado dentro da história, indiretamente existe uma crítica a governos que abusam do poder e tomam atitudes que beneficiam seus interesses ou interesses de um determinado público em detrimento dos interesses coletivos, que é exatamente o que faz o ministro da magia no desenrolar da história. Ainda podemos falar do poder da mídia manipuladora, quando o maior jornal bruxo “O Profeta Diário” passa a divulgar histórias que não condizem com a realidade dos fatos e é notório o poder de influência disso na formação de opinião da população bruxa.

Há influência na formação do pensamento crítico dos estudantes, ou seja, as atitudes que são tomadas com relação à educação dos jovens e como os governam induz o interesse de não quererem que os mesmos pensem de maneira crítica e autônoma, evitando uma eventual rebelião. Fica nítido esse desejo do Ministério da Magia quando é apresentada a nova Diretora Dolores, uma funcionária do Ministério que passa a coordenar e lecionar em Hogwarts intervindo assim no tipo de conteúdo que os alunos devem ou não ter acesso.

Por último, podemos perceber como ocorrem as relações dos bruxos com os outros seres da comunidade mágica, os centauros, os duendes, os elfos domésticos e os gigantes por exemplo. Nota-se a falta de respeito e inclusão pela forma que tratados, refletindo exatamente o que nós humanos fazemos com os outros seres ao nosso redor, seja com os animais ou até mesmo com a natureza de modo geral. Exercemos uma dominação e muitas vezes não respeitamos os direitos dessas espécies.

Muito mais que uma simples história de fantasia Harry Potter é uma análise e um convite para que possamos refletir sobre as nossas atitudes e a aplicabilidade da evolução do nosso sistema jurídico.

Comentários do Facebook